A grande mordomia em ritmo de auxílio-moradia. Na proposta de orçamento que o Planalto enviou ao Congresso para 2018, há exemplos poderosos dessa festa

O auxílio-moradia pode ser razoável em diversos casos, mas na maioria das vezes aninha-se na conhecida farra brasileira com o dinheiro público. Na proposta de orçamento que o Planalto enviou ao Congresso para 2018 há exemplos poderosos dessa festa, informa o gazeteiro Lauro Jardim de “O Globo“.

O jornalista aponta alguns exemplos:

*O Gabinete da Vice-Presidência vai levar R$ 17.818 durante o ano. Até que não seria muito — se vice-presidente o Brasil tivesse…

*A Justiça do Trabalho gastará mais com auxílio-moradia que o Itamaraty, que banca a representação diplomática brasileira mundo afora. Aos números: R$ 197,7 milhões contra R$ 188,534 do Ministério das Relações Exteriores.