Municípios anunciam reajuste nas tarifas de ônibus. Em Araucária, o preço da passagem baixou de R$ 4,25 para R$ 2,90
A Folha de Londrina publicou, em sua edição desta sexta-feira (05/01), reportagem feita pela jornalista Simoni Seris e dá conta que algumas das principais cidades do Paraná iniciam 2018 com o valor do reajuste na tarifa de transporte público definido. Na maioria dos municípios onde a discussão já se encerrou, o percentual de reajuste variou entre 2,81% e 4,41%, mas teve até redução no valor, como aconteceu em Araucária (Região Metropolitana de Curitiba), onde após análise das planilhas de custo a prefeitura diminuiu o preço da passagem em quase 32%, baixando de R$ 4,25 para R$ 2,90. Nessas cidades, os novos valores já estão em vigor ou começarão a valer a partir da semana que vem.
Segundo o secretário de Planejamento de Araucária, Samuel Almeida, o processo de revisão da tarifa do transporte coletivo começou em janeiro de 2017, com uma análise mais aprofundada do sistema no município, especificamente sobre linhas, itinerários, horários, quantidade de funcionários, contratos de limpeza, roçagem, vigilância e manutenção dos pontos de ônibus e terminais. “Sem cortar itinerários e suprimir linhas, conseguimos reduzir o quantitativo de ônibus no sistema, o que reduziu também outras despesas, como combustível e motoristas, que são custos fixos e considerados no cálculo tarifário”, explicou. 

Retirando dez ônibus do sistema, disse Almeida, foi possível rever o custo da quilometragem, que baixou de R$ 8,67 em setembro de 2016 para R$ 7,08 atualmente. O valor do contrato de limpeza caiu de R$ 359 mil mensais para R$ 57 mil. “Com todas as adequações, o custo do sistema caiu em R$ 30 milhões e também repensamos a existência de uma empresa pública para gerenciar esse sistema e decidimos extinguir a CMTC (Companhia Municipal de Transporte Coletivo), que tinha um custo de R$ 8,5 milhões por ano.” 

Foi todo esse enxugamento de despesas, disse Almeida, que possibilitou, neste ano, reduzir a tarifa de R$ 4,25 – mesmo valor cobrado pelo transporte público em Curitiba – para R$ 2,90. Além da redução tarifária, os 135 mil habitantes da cidade têm garantida a passagem gratuita aos domingos, desde que utilizem o bilhete eletrônico. Nos dias úteis, o sistema garante gratuidade a estudantes de escolas públicas desde a educação infantil até o ensino médio e mães que têm filhos estudando em instituições longe de casa também não pagam a passagem para se deslocar quando vão levar e buscar as crianças na escola. Idosos e deficientes físicos e portadores de doenças crônicas também têm isenção total, estendida aos acompanhantes. 

GUARAPUAVA 
Em Guarapuava (Centro), o reajuste que entra em vigor No próximo dia 8 elevou a tarifa de R$ 3 para R$ 3,10, aumento de 3,3%. Entre as principais cidades do Estado, Guarapuava é o município com a passagem de ônibus mais barata. Segundo o gerente do setor de Tráfego e Transportes da Setran (Secretaria Municipal de Trânsito), Adalberto Campos, o que pesou mais sobre o preço da nova tarifa foram os itens derivados de petróleo, como pneus e combustível. “A gente trabalha com o número bem no limite, estamos conseguindo segurar o aumento e aplicar somente o reajuste inflacionário, que é obrigação contratual”, disse o gerente. 

Campos ressaltou ainda que ao contrário do que acontece em outros municípios, o sistema de transporte público de Guarapuava não sofre concorrência com outros meios de transporte, como serviço de transporte por aplicativo, mototáxi e vans. “Não temos outro transporte, então não tivemos a migração de passageiros.” 
Em Guarapuava, o valor de R$ 3,10 da tarifa viabiliza a manutenção da gratuidade do transporte para idosos e pessoas com deficiência e 50% para estudantes. A administração também criou o Educard, que oferece aos alunos de escolas públicas das redes municipal e estadual quatro viagens diárias por R$ 1. 

OESTE E NOROESTE 
Em Cascavel (Oeste), um decreto assinado pelo prefeito na quarta-feira (3) estabeleceu um reajuste de R$ 0,10 no valor da tarifa, que passará a custar R$ 3,65 a partir do dia 11 de janeiro. O presidente da Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito), Alsir Pelissaro, explicou que os 2,81% de reajuste foram calculados com base nos custos do transporte que, apesar da alta nos derivados do petróleo, houve uma compensação devido a queda de 1,0697% em um dos índices que compõem o sistema nacional de transportes. “A mão de obra também teve um reflexo menor nos custos do sistema porque o reajuste dos salários dos funcionários subiu menos no ano passado. Fechando tudo isso aí, chegamos ao valor do reajuste”, destacou Pelissaro. “Desde o ano passado eu vinha discutindo que o importante não é subir R$ 0,10, R$ 0,20 ou R$ 0,30, mas recuperar os passageiros e ter mais pessoas andando de ônibus. Em 2017, o número de passageiros cresceu 0,03%, o que não é muito, mas já ajuda.” Em Cascavel, 1,280 milhão de pessoas utilizam o transporte coletivo ao longo de um ano. 

No município de Paranavaí (Noroeste), um decreto assinado na última semana de dezembro garantiu o reajuste, que determina valores diferentes de acordo com a forma de pagamento. A tarifa sobe de R$ 3,40 para R$ 3,45 para pagamento com cartão e R$ 3,55 para pagamento em dinheiro – aumento de 4,41%.